(21) 3942-1280 [email protected]

O Marketing está em tudo

marketing_banner_by_hris-d5dego9

Talvez você já tenha tido algum tipo de incerteza sobre os termos Marketing, Publicidade e Propaganda serem ou não a mesma coisa. Sim, eles podem estar conectados um ao outro, porém possuem missões diferentes. A Publicidade e a Propaganda estão diretamente ligadas à Comunicação, já o Marketing está ligado à estratégia de mercado.

Analisando mais profundamente, podemos dizer que: Publicidade, como o próprio nome já indica, é tornar algo público, basicamente está ligado à venda e comunicação de produtos, mas também pode estar ligado à venda de idéias, como no caso do segmento político, por exemplo; E para isso você utiliza os canais de comunicação/mídias de massa. A Propaganda por sua vez, é a comunicação específica do produto, é exatamente o que será veiculado nas mídias. Já o Marketing, vai além, pois vai desde a criação do produto até o pós-venda e cada uma dessas etapas exige uma estratégia específica. De uma forma bem direta: O Marketing pensa e a Comunicação (Publicidade e Propaganda) executa. Vale lembrar que existe a possibilidade de se fazer marketing sem necessariamente fazer propaganda.

Além da recorrente dúvida acerca dos termos explicados acima, é comum também, encontrar profissionais de Marketing que já ouviram muitas críticas a respeito de sua área de atuação. Dentre elas, comentários como: “Marketing é mentira”, “Marketing maquia a verdade”, “Marketing é o vilão do Capitalismo”, “Marketing é o mal do mundo”,etc.  Em meio a tantas opiniões difamatórias e preconcebidas, surge o questionamento: Será mesmo que todos os profissionais de Marketing que estão hoje no mercado optaram por tal profissão para que pudessem “manipular pessoas e vender coisas que elas não precisam”? A resposta óbvia é “não”. Ao longo da minha trajetória profissional, venho encontrando profissionais que possuem uma visão exatamente oposta a esta sentença. A grande maioria tem como propósito, poder ajudar as pessoas a criarem e a encontrarem coisas que elas precisam sim, seja qual for o motivo.

Lembro-me até hoje, de um professor de matemática da época do colégio, que na tentativa de tornar sua matéria mais interessante aos olhos dos alunos, frequentemente nos lembrava que “A matemática está em tudo”. Sua justificativa era de que não havia como fugir dela, pois consciente ou inconscientemente ela estava diariamente nas nossas vidas. Segundo ele, antes de atravessarmos a rua, nosso cérebro calcula em questões de segundos a velocidade e a distância dos carros em relação a nós. É claro que ninguém passou a gostar de matemática por causa desta máxima, mas ele tinha razão. De fato a bendita da matemática estava presente diariamente em nossas vidas, no troco das compras, nos jogos de futebol e até mesmo ao olharmos as horas no relógio.

Da mesma forma que o meu professor defendia a matemática como algo intrínseco no cotidiano humano, ouso dizer também que: “O Marketing está em tudo”. Se você parar para observar, perceberá que antes do seu (sua) namorado (a) ou esposa (o) se tornar o que ele é hoje para você, várias estratégias de marketing foram tomadas para que você pudesse se “vender” como um bom partido, não é mesmo? Você estudou o seu público-alvo, viu que ele estava de acordo com sua missão, visão e valores, o seu público se deu conta de que você como “produto” tinha valor e diferencial dos demais do mercado e um case de sucesso se fez. Lembrando que o pós-venda é tão importante quanto a conquista do cliente, portanto nunca se esqueça de cumprir o combinado, manter uma política de transparência e desenvolver uma boa comunicação.

Podemos citar centenas de outras situações, como por exemplo, a sua própria rede social. Antes de você postar algo na sua página pessoal, inconscientemente você pensa se aquilo será relevante para o seu “público”, se as pessoas irão entender o que você quis dizer, ou se vão interpretar errado e fazer um longo comentário furioso (o famoso textão) na sua postagem tão desinteressada. Assim como o pipoqueiro que oferece mais sabores e ainda consegue cobrir o preço do concorrente da praça ao lado, além óbvio de sempre lhe atender muitíssimo bem.  A verdade é que todos os dias fazemos Marketing em nossas relações pessoais e profissionais. O que torna o Marketing bom ou ruim, o que o faz ser ético ou antiético é o profissional. O desafio está em escolher, ou ser, um bom profissional de Marketing e ajudar às pessoas a encontrarem o que elas precisam.

Amanda CostaPublicitária e especialista em Marketing Digital Estratégico e Branding. 

Meu título