Tem gente que acorda com o sentimento de que dormiu pouco, de que o dia de trabalho não será suficiente para realizar todas as tarefas, de que o dinheiro na conta não é suficiente, de que a saúde não é boa o bastante, de que o corpo poderia estar em melhor forma, e por aí vai… . A síndrome da escassez não se refere à falta (ausência), mas ao sentimento de que o que se tem não é suficiente.

Esta síndrome ataca também no dia a dia das empresas. Em muitos casos é possível encontrar a escassez diariamente. Faltam pessoas para compor a equipe, falta sistema, falta verba, falta incentivo, falta reconhecimento, falta… . Em alguns casos a empresa faz os investimentos necessários, e a equipe nunca acha que é o suficiente para alcançar os resultados necessários. Em outros casos, a empresa não faz o investimento necessário e estrangula os colaboradores para o alcance dos objetivos e metas. É fundamental entender o cenário, antes de se pensar na solução.

Entender o cenário implica em compreender o ambiente interno com mais dados e fatos e menos “achismos”. É preciso conhecer com exatidão quais as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças internas. Temos as ferramentas de avaliação de clima organizacional, que também são fundamentais neste contexto. A partir daí, afastando os “feelings”, será possível identificar de fato o que é escassez e o que é mentalidade de escassez. Neste caso, será considerada como “situação de escassez” tudo aquilo que for fator crítico para o cumprimento dos objetivos e houver a ausência (ou insuficiência) destes fatores dentro da empresa.
Enquanto você está lendo este artigo, provavelmente algumas lembranças de escassez podem lhe ter vindo à mente. Mas será que essas lembranças são de fato sinais de escassez? A ausência de progresso de fato está vinculada a esses pontos? O quanto essas questões vêm atrapalhando a sua carreira? Como você tem tentado tratar essas questões?

Não se reage à mentalidade da escassez com a abundância. Quando deixamos a escassez de lado descobrimos a surpreendente verdade da suficiência. E aqui não estou me referindo a uma quantidade de determinada coisa, mas real consciência do que se tem de fato. O oposto da escassez é gratidão das coisas que se tem, identificando a verdade da suficiência. Não é uma questão de conformidade, mas sim de analisar a situação de forma mais racional e menos emocional. Ao invés de ficar “travado” pela mentalidade da escassez, a verdade da suficiência nos coloca diante da seguinte questão: O que é possível fazer de melhor com o que temos?

Uma coisa, apenas uma coisa eu posso lhe garantir: a maioria das pessoas está programada para dar respostas automáticas contaminadas pela síndrome da escassez. As empresas buscam pessoas que pensem e ajam de forma diferente, capazes de fazer mais com o que se tem à mão. Se uma pessoa faz muito com os recursos que têm às mãos está comunicando que possui competência para ir além se tiver mais recursos.
Nós brasileiros, somos conhecidos mundialmente no segmento da publicidade e propaganda como profissionais altamente criativos, que fazem campanhas brilhantes com parcos recursos.

A inovação precisa acontecer primeiramente no campo onde as grandes batalhas são travadas: a mente. Inovar não é fazer milagres, mas consiste em afastar a mentalidade de escassez e fazer o melhor que pode ser feito.


Robson Vitorino é palestrante, professor, articulista e consultor nas áreas de Liderança e Gestão de Pessoas

cabecalho_lista_vipPor favor selecione um formulário válido

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *